Vietnam – Saigon

Resolvido o problema dos passaportes e assumindo o risco de ter fugido aos guardas da embaixada, por não achar justo pagar o dobro (mais 74 dólares pelos passaportes) seguimos mais 7 horas de viagem em direcção à fronteira com o Vietname.

Já agora segue um conselho, se forem para estes países já com os vistos e tudo tratado melhor. Porque as embaixadas são fontes de corrupção e tratar destes assuntos lá, não +e nada aconselhável. Fica a dica, para não andarem a fugir à Policia. A alternativa é sempre pagarem o dinheiro pelos serviços dos senhores guardas.

Esquecemos os problemas e seguimos. Chegamos a Saigão ou então Ho Chi Minh City…pelas 9 horas da noite.

Saigon_Julho 2009

O tempo faz-se curto, mais curto para alguém que até viajou com tempo, e mais uma vez, ainda com a astúcia que alguém que vive na China, pagamos 4 dólares a um taxista para nos levar exactamente ao lugar onde nos deu boleia.

Como para aprender é preciso cair, e aceitando que o “low budget” se fará no final seguimos com o fiel guia da Lonely planet para a área dos Backpackers. Afinal estamos em Saigon! Sinal de respect para qualquer cidadão europeu.

Estamos na capital económica do Vietname e percebemos que esta cidade faz-se de estatísticas.

9 Milhões de pessoas numa cidade com 5 milhões de motas…é o caos completo. Mas como lhe chamam os locais, é a coordenação do caos. Uma vez, que se vendarmos os olhos e atravessarmos a rua, todas as motas se desviam. Nada nos toca…aceitamos a explicação embora sem o devido teste prático.

Atravessar a rua é um desafio e pagar em Don´s também. Entramos mais uma vez no planeta dos dólares.

Por entre ruelas de uma cidade que parece que acordou há 10 minutos atrás e que metade da população vai chegar atrasada ao emprego…o movimento de 5 milhões de motas faz-se em qualquer direcção. Não percebemos nada do que está a acontecer. Onde chegamos? LOUCURA!!!

Não há acidentes. A coordenação está para os motards de Saigão como a visão para os Europeus e a esperteza para os Chineses e a inteligência para mim. Tudo está sobre controlo, diz-nos o rapaz que nos pede 5 dólares para dormir na Yellow Guesthouse. Zona de excelência do guia LP.

Finalmente um banho. Um local com net. E dois minutos para beber uma cerveja. Afinal de contas estou em Saigão.

A noite faz-se pequena e o dia vai começar cedo com a jornada pelo Mekong Delta. Não há aventuras e a noite acaba na caminha.

Mekong Delta. Se há coisas que nos deixam absorvidos pela sua magnitude, tal como, Ankor, então um dia pelo Mekong River está em segundo lugar.

A jornada começa às 7 e meia. Abastecidos quanto baste e com as baterias carregadas começamos o dia pela melhor forma, mais 5 horas de autocarro até ao inicio do Delta.

O guia assume-se com o pior inglês que nos deparou na Ásia.

Entramos pelo Mekong e a vista toca-nos com uma força avassaladora pela grandiosidade de um rio que começa na China, mais concretamente, no Tibete e depois percorre a província chinesa de Yunnan, Mianmar, a Tailândia, o Laos, o Cambodja e o Vietname. São aproximadamente 4.500 km de tamanho sendo o 13° rio mais longo e o 10° mais volumoso do mundo. É graças ao Mekong que as minorias comem.

Vietname_Julho 2009

A vista fabulosa, a cerveja no barco, e o vento na cara, tornam o cenário fenomenal.

Não tardou acordarmos do sonho, e mais uma vez, perdemos a noção do tempo, conversando com o guia local sobre a China, sobre o Vietname e sobre as guerras dentro do seu país.

Como ele próprio afirmou “há mais de 2500 anos atrás até hoje temos estado muito ocupados”. A verdade das palavras toca no ridículo, referia-se às guerras.

Durante mil anos, o Vietname foi dominado por sucessivas dinastias do império chinês, depois foi colonizado pela França, antes tinham sido os Khmer, seguiu-se a vez do Japão a ocupar o país, e posteriormente viria a haver dois lugares dentro no mesmo país (o norte apoiado pelo regime comunista da Rússia e o Sul com o lado republicano). Eram conhecidos após Indochina como o Vietname do Norte e o Vietname do sul. Esta divisão deu lugar a guerra do Vietname com os EUA a entrar no país para combater o comunismo do norte. Os EUA ficaram aqui durante 25 anos sendo obrigados a abandonar o país. Criou-se por fim a República Socialista do Vietname. Terminou aqui o trágico passado do Vietname onde a simples história não contempla luxos, mas sim, guerras infinitas durante todo este tempo. Actualmente é o comunismo que lidera os destinos do País.

O Vietname assumiu-se também vencedor ao lutar contra todos e a crescer a um ritmo apenas igualável pela Indonésia e China nos dias de hoje, o país que se chama Viêt Nam ( Country in the South of China) prepara-se para se projectar no panorama mundial, e desta vez pelas melhores razões.

Depois das histórias fantásticas contadas pelo senhor Pho, seguimos pelo delta, onde as paisagens assolam a vista de qualquer turista.

Os corredores do River Delta, as danças tradicionais, os contos, as fábricas de produção de açúcar, de rebuçados, de peças fabulosas de artesanato fazem perder até quem iniciou a viagem no sentido de “Low Budget” e já parou no multibanco mais de 4 vezes.

Seguimos em Direcção a Saigão (capital económica do País) e preparamo-nos para desta vez bombar a sério. O Go2 e o Bufalos, juntam-se para uma noite fabulosa na companhia da fabulosa “Saigon Beer, my country my beer”.

Os restantes dias, contemplam uma visita aos Cu Chi Tunnels e aos mercados de Saigão. Termino a jornada sem dormir, resta esperar pela caminha em Macau.

Cambodia, Vietname_Julho 2009

~ por pedroleite23 em Julho 27, 2009.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: